Até que ponto toda relação deveria ser aberta?

Atualizado: 13 de jul. de 2021

Essa é uma pergunta que suscita muitas reflexões interessantes...



Originalmente o termo "relação aberta" foi utilizado para se referir a relações onde a comunicação era aberta, onde havia muita transparência, sinceridade e abertura. Nesse sentido acredito que toda relação deveria sim ser aberta!


Mas hoje em dia o termo “relação aberta” vem sendo utilizado para se referir a relações onde os parceiros podem se relacionar afetiva ou sexualmente com pessoas de fora da relação. Neste sentido acredito também que toda relação, sem exceção, deveria sim ser aberta!


Isso quer dizer que não haveriam mais relações monogâmicas? De maneira alguma... O fato de você PODER se relacionar com pessoas de fora não quer dizer que você SEJA OBRIGADO a se relacionar com pessoas de fora! Afinal de contas, nem todo mundo tem este interesse. Mas a pergunta que fica é: se realmente não existe interesse, por que tem que fechar a relação então?


O fato de uma porta estar aberta não quer dizer que eu tenha que sair. Mas se eu preciso trancar a porta é porque eu já suponho de partida que alguém esteja querendo passar e como isso é proibido, eu tranco a porta, fecho todas as janelas e coloco até uma cerca em volta para não permitir nenhuma escapada. Só deste modo me sinto seguro. Mas se estou trancando tudo por medo de que alguém possa querer fugir, às vezes até “pulando a cerca”, não seria melhor então conversar sobre o assunto e entender melhor este desejo ao invés de sair fechando todas as portas?


Aliás, eu sempre achei curiosa essa metáfora da “pulada de cerca”. Em geral utilizamos cercas em presídios ou nos parquinhos infantis. Por que estamos utilizando essa metáfora da cerca para relações entre adultos? O fato é que, enquanto houverem prisioneiros, sempre haverão tentativas de fuga. Isso é muito óbvio. Para acabar com a pulada de cercas, a única saída seria derrubá-las de uma vez por todas e investir nossa energia em um diálogo aberto.


Outra pergunta pertinente é: será que somos tão infantis assim para precisarmos de um cercadinho? E se formos mesmo, vamos então assumir abertamente isso e fazer algo a respeito de forma adulta. E se lá fora é tão bom assim que precisamos proibir a saída, talvez seja melhor olhar para isso com um pouco mais de calma, afinal, a proibição nunca resolveu nada, só torna o proibido mais desejável.


Me parece então que estamos de fato tentando tapar o sol com a peneira, porque se as pessoas quiserem se relacionar com alguém de fora da relação, elas vão dar um jeito, por maior que seja a cerca que coloquemos. E se elas não tiverem necessidade nenhuma disso, pra que então fechar a relação e cercar tudo em volta?


E se eu só sinto segurança de que meu parceiro vai ficar comigo porque todas as portas estão fechadas, então que confiança é essa? Se minha parceira só não sai pra ficar com outros porque eu coloquei uma cerca em volta da relação, então que confiança é essa? E se lá fora é tão melhor do que aqui dentro, o que será que podemos fazer para tornar aqui dentro mais interessante?


Não seria mais interessante pudéssemos deixar a porta aberta e ainda assim ninguém quisesse buscar nada lá fora? Afinal de contas, se eu e meu parceiro realmente preferimos a monogamia, então não precisamos nos proibir de transar com outras pessoas. Afinal de contas, só proibimos algo que supomos ser desejado. Então talvez nós estejamos supondo que todos queiram buscar algo fora e por isso, por via das dúvidas, vamos sempre mantendo as relações fechadas...

19 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo